15
- agosto
2018
Comentários desativados em NOTA DE REPÚDIO AOS CORTES ORÇAMENTÁRIOS PARA A PESQUISA CIENTÍFICA, PARA O AVANÇO TECNOLÓGICO E PARA A EDUCAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR
NOTA DE REPÚDIO AOS CORTES ORÇAMENTÁRIOS PARA A PESQUISA CIENTÍFICA, PARA O AVANÇO TECNOLÓGICO E PARA A EDUCAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

A Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN), A Associação de Linguística Aplicada do Brasil e a Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Letras e Linguística – ANPOLL, que congregam pesquisadores/as da área de Linguística e Literatura e contam em seu quadro de associados/as professores/as de instituições de ensino superior e/ou básico públicas e privadas, além de estudantes de graduação e pós-graduação, posicionam-se fortemente contra qualquer impedimento ao progresso do ensino, da ciência e da tecnologia no país.

Os recentes cortes orçamentários anunciados para 2019 que atingem a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq põem em risco o referido progresso e constituem um agravo direto ao desenvolvimento e à soberania do país. Pesquisa não é um luxo ao qual um país em desenvolvimento não deva se permitir: ao contrário, é uma das formas mais importantes de garantir que o país possa competir em tecnologia, conhecer, compreender e resolver seus problemas estruturais e culturais, possibilitando uma sociedade mais justa e uma vida melhor aos seus cidadãos.

As agências de fomento são os principais alicerces de desenvolvimento da ciência no país. Incontestavelmente, pesquisas científicas resultam em importantes avanços para o conhecimento, para a educação e para a geração de novas tecnologias. Todos os países desenvolvidos investem massivamente na pesquisa científica. Cumpre notar que, a partir desse entendimento, houve, nas gestões anteriores, um esforço considerável de investimento em pesquisa, o que fez com que o Brasil ficasse entre os 15 países que mais produzem ciência em 2017 (ranking do Scimago). Todo este esforço e o seu resultado podem resultar vão se não garantirmos orçamento adequado para as várias atividades que os principais órgãos de fomento à pesquisa científica no Brasil financiam.

É importante notar que, num país com as características do Brasil, o acesso gratuito, inclusivo e irrestrito à pós-graduação, com garantia de bolsa, é indispensável à manutenção da pesquisa acadêmica autônoma e não financiada por agências privadas. Reconhecidamente, é a pós graduação um dos mais importantes sistemas que promovem o avanço da ciência em um país. Um dos alicerces de qualquer pós-graduação é o seu corpo discente. Estudantes de pós-graduação dedicam-se em geral integralmente aos seus trabalhos de pesquisa, não tendo outra maneira de se manter (e muitas vezes de manter gastos referentes à própria pesquisa que realizam) sem uma bolsa.

O corte orçamentário proposto, que prevê a suspensão de 93 mil bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, vai afastar um número considerável de pós-graduandos, gerando um grave desfalque para a pesquisa científica no país e por consequência, para o posicionamento do Brasil no mundo como produtor de ciência.

As associações da área de Linguística e Literatura que assinam a presente carta encaram como urgente a reavaliação da previsão orçamentária e conclamam a toda a comunidade a repudiar o rumo das políticas atualmente em curso e os graves prejuízos que elas podem acarretar para o país.

Miguel Oliveira, Jr.
Presidente da ABRALIN

Kyria Finardi
Presidente da ALAB

Frederico Fernandes
Presidente da Anpoll