fev/2020

01/02/2020

fev/2020

Boca também toca tambor - Ricardo Aleixo ( Mundo palavreado, 2013)


(...)

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

boca é que faz a fama

do griô e do akipalô

ambos mestres da palavra

que ecoa como um tambor

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

boca que um dia herdou

da boca do criador

o mais imprevisto dos dons

soar como um tambor

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

boca tambor que só toca direito

se o tocador ouvir no fundo do peito

o som de outro tambor

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

a boca de hugo ball

um idioma dadafro criou

por toda zurique se ouvia

“jolifanto bambla ô”

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

schwitters com sua ursonate

 “böwöröääzääUu ppö”

monossilabatucando

a língua de goethe entortou

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

 a palavra-trovão com 100 letras 

que james joyce inventou 

fez tremer a terra toda

tal qual o alujá de xangô

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

“orkata ona izera”:

o urro stacatto de artaud

ainda hoje reverbera

como um solo de tambor

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

“like a sex [drum] machine”:

james brown nos ensinou

do que é capaz a boca

contra o tédio o ódio e a dor

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

clementina no terreiro

foi outra que fez furor

reinventando as funções

do aparelho fonador

 

boca também toca tambor

boca também toca tambor

 

no mar do caribe a boca

de guillén – o seu tambor –

cobre o som das ondas com

um grito ancestral: “yambambó!”

 

boca também toca tambor


boca também toca tambor